Sabedoria do Corpo

Quanto você utiliza do seu potencial?

Ele está ali acessível, disponível e pedindo sua atenção para chegar à melhor performance do seu corpo, da mente e espírito.

Temos muita energia adormecida, logo, não vivemos plenamente nosso potencial.
Aquilo que utilizamos está vivo, o que não utilizamos está "temporariamente morto".

Uma das formas de aumentar instantaneamente a quantidade de vida do corpo é a respiração - pranayamas - geradora de prana, de vida.

Quando mudamos a respiração nossa energia muda.
Quando estamos motivados, nossa respiração é uma.
Quando estamos com raiva, respiramos diferente.
Quando estamos apaixonados, é outra.
Quando temos tesão, muda.

Quando muda nosso estado mental, de acordo com a qualidade da força de vida que há lá, nossa respiração também modifica. Quando a energia está fluindo livremente todo fluxo aumenta. Quando há tensão, preocupação ou desconforto, é mais pesado, gasta mais energia.

Tenho feito o exercício de levar a atenção para o meu corpo e ouvi-lo.
Sentindo qual a sensação física que cada oportunidade me convida.
Se meu corpo deseja ir, ou não. Se está vivo ou morto para aquela situação.

Me vi esta semana com muitos desejos manifestados, coisas que eu desejava à algum tempo e estavam ali, disponíveis para mim. Só que, frente a isso, me vi completamente paralisada.

Então, respirei. Fazer pranayamas (exercícios de respiração) é uma forma de chamar a vida.

O corpo tem uma sabedoria, e às vezes queremos controlar tudo com a mente.
Controlar passo a passo o que tenho que fazer, e a primeira coisa que trava quando não estamos influindo internamente é o corpo.
O intestino não funciona, a flexibilidade diminui, a digestão fica lenta, a disposição, a pele, as unhas, a respiração, taquicardia, dor no estômago, etc, tudo isso são manifestações físicas sobre nossa consciência.

Aprender a ouvir os indicadores do corpo tem sido uma grande escola pra mim.
Ouvir mais meu corpo e seguir suas indicações faz eu me sentir mais viva.

"Há mais sabedoria no seu corpo do que na sua filosofia mais profunda".
- Nietzsche